Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008
O trauma do homem!

Se há casos graves e em que se justifica aconselhamento psicológico (ou psiquiátrico?) urgente e continuado, o de Sócrates é um deles.

Antigamente, quando uma criança não queria "comer a papa", alguns pais apelavam para a figura do "papão", dizendo: se não comes a papa, o papão vem-te buscar...!

Outros, apelavam para o velho chavão: se não comes a papa, vem o polícia e leva-te preso...!

Bem vistas as coisas, tenho muita pena do sr. Sócrates. É que os seus progenitores devem ter usado uma receita muito em voga nos tempos de Salazar... Assim do género: se não comes a papa, vêm os comunistas e comem-na!

É que o homem via e continua a ver comunistas em tudo quanto é sítio... E isto desde 2005, pelo menos, como se prova na imagem abaixo.

Se lhe sai ao caminho uma "manif" de professores: são comunistas!

Se se depara com uma "manif" de desempregados: são comunistas!

Se o povo de uma aldeia exige a reabertura do Centro de Saúde: são comunistas!

Se calhar, quase não se dignava cumprimentar os campinos, porque: eram comunistas"

Se um corajoso jornalista (coisa rara, diga-se) lhe "destapa a careca": é comunista!

Se um "blogueiro" prova que não é engenheiro: é comunista!

Se publicam imagens dos seus "brilhantes" projectos (gratuitos): são comunistas!

Se os comunistas promovem uma "manif"... são comunistas!

Chiça, que o homem sofre mesmo de um trauma perigoso! Vê comunistas por todo o lado!

Que raio, sr. Sócrates... ao menos, uma vez por outra, diga lá que é o bicho papão que o obriga a comer a papa!

Claro que o "bicho papão" não existe... só existem os grandes interesses financeiros... que o obrigam a comer a papinha toda!

 



Publicado por rui.freitas às 23:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

2 comentários:
De cudeoeiras a 19 de Fevereiro de 2008 às 03:33
Amigo Rui,
li recentemente, de uma assentada, um livro curioso de António Costa Santos, sobre as proibições do chamado «antigo regime», intitulado «Proibido!». Li para me relembrar de algumas coisas que os adultos me contavam quando eu, chavalo (14 Aninhos), olhava para as imagens a preto e branco da revolução na televisão em 74, dando graças aos comunistas por me darem uma mão cheia de dias livres de aulas. Enquanto lia sobre as absurdas e tacanhas proibições do pré-25 de Abril, fui-me apercebendo que, passados 33 anos da libertadora revolução, o país continua tão ridículo quanto antes. Principalmente no que toca a proibições e deveres.
Esta percepção do ridículo é preocupante porque me faz ter a
perfeita consciência que, por mais anos que passem, Portugal será sempre uma metáfora fácil do ridículo tacanho e mesquinho. As leis neste país tiveram sempre aquela arbitrariedade imbecil e subjectiva do legislador, o mesmo gajo que há 40 anos proibia que se namorasse na rua, que as pessoas se pudessem divorciar, que as mulheres casadas pudessem ter passaporte e viajar para o estrangeiro, que pudéssemos ler certo livro ou ouvir certa música, esse legislador estreptococo, conseguiu criar uma prole de descendentes que hoje continuam a legislar no mesmo registo de estupidez subjectiva. É o caso dos mentecaptos da ASAE, que não legislam mas sugerem, proibições e deveres tão absurdos como os dos seus antecessores pulhas pidescos. Seria particularizar demasiado se chamássemos à ASAE os pulhas pidescos dos tempos modernos. Na realidade os socráticos, disfarçados sobre um conceito enviesado de socialismo, são na realidade uns fascizóides com vertigens alucinadas de Poder.
Estamos entregues a uma ditadura económica, tão perigosa quanto a ditadura tradicional. Hoje já não temos de ter licença para usar isqueiro, nem de ter medo de expressar livremente a nossa opinião (isto se não pensarmos naquele professor da DREN ou naquele bloguista do «Portugal Profundo» que se lixaram por falar mal do artolas do nosso primeiro-ministro), mas em contrapartida somos obrigados a descontar metade daquilo que ganhamos, a pagar ao Estado (essa abstracção incómoda) mais de 1/5 daquilo que compramos e a acatar obedientemente, como no tempo da ditadura a descoberto, todas as merdinhas de leis que o Governo vai inventando para pagar o seu status quo (que por vezes toma a forma de Audis topo de gama).
Que o país é ridículo é uma realidade. Que os portugueses se deixem ridicularizar por estes ditadorzecos de pacotilha, que mais parecem perus disléxicos em dias de cimeira é outra coisa.
Quem elegeu este Desgoverno merece, na boa tradição deste blog, uma tribo de somalis rebarbados, com a testosterona alterada quimicamente, pelos glúteos acima. Mas merece mais. Merece ter um tempinho de reflexão, só para ver em que estado é que deixou chegar este lugar mal frequentado a que chamamos país. Não estou nada satisfeito com os anormais babosos que deram o poder a este engenheiro instantâneo do José Sócrates.



De rui.freitas a 20 de Fevereiro de 2008 às 02:46
Ora, Caro Boavida Pires, não posso estar mais de acordo, pois como dizia o "anúncio": "eu ainda sou do tempo...".
Pois, só que "esse tempo" parece ter voltado, mas em forma mais refinada, mais subtil mas não menos perigosa e/ou preocupante!
Olhemos, por exemplo, para o novo "mapa judiciário", para as alterações ao CPP, as declarações do Bastonário da Ordem dos Advogados, do general Garcia Leandro, do director da Judiciária em relação ao caso Meddie...
Mas olhemos também - e com mais atenção - para os casos "Apito Dourado", Casa Pia, Casa do Gaiato, Fátima Felgueiras, Isaltino Morais, Ferreira Torres, os lucros dos Bancos em Portugal (5,5 MILHÕES POR DIA) e tantos, tantos outros escândalos idênticos...
Antes continuar a pagar licença de isqueiro (ao menos, defendia-se a indústria fosforeira...) do que aturar este (des)governo!


Comentar post

Sempre na hora certa
anti-corrupção
Visitantes desde Maio 06
Acordo Ortográfico
Prémios recebidos
ThinkingBlogger blog com tomates
Visitantes on-line
online
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Obituário (1): faleceu o ...

De mim, para todos...

Poupança ou... desperdíci...

Já assinou?

Mais uma derrota... que n...

Mais uma derrota... que n...

"Despachados" e secretari...

Até a(s) barraca(s) abana...

Levantando um pouco do vé...

A "importância" do PDM-Oe...

Perguntar, não ofende...

Fim das sondagens sobre o...

29 de Setembro, no Municí...

Até já!

Por esta, muito menos... ...

Por esta, não esperava eu...

Fiquei com uma dúvida...

Revisão do PDM de Oeiras

Apagar o fogo com... gaso...

Isabel Sande e Castro: a ...

Ai João, João...

A "importância" do PDM-Oe...

Ainda o PDM: BE questiona...

PDM Oeiras já está em dis...

"Palavra, depois de dita....

Há cada mistério...

Desfeito o "mistério"...

Esta, sim, é uma excelent...

Temos candidato à Junta d...

Vou Cabo Verde

Ou és por mim...

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Meteorologia
     
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS