Terça-feira, 29 de Abril de 2008
Unidade sem Anestesia (6)

Imperioso melhorar a Democracia

 

É lugar comum dizer-se que sem partidos não há democracia, mas o inverso também é verdadeiro.

Os nossos partidos do poder (PS/PSD), cuja existência custa aos portugueses uma soma incomportável das suas parcas possibilidades financeiras, são avessos a falar de si e, quando o fazem, avançam números de pouca credibilidade como seja:

PS "dixit": O número de militantes do PS ronda os 73 mil. No entanto, o número de militantes com direito a voto para o congresso deverá ser substancialmente menor. Só votam aqueles que pagarem as quotas.

PSD "dixit": O número de militantes do PSD, em 2007, segundo fontes partidárias não ultrapassaria os 60 mil, contudo apenas 50% votaram nas eleições directas (o número provável de militantes do PSD).

O partido do actual governo tentou que todos os partidos fizessem prova de terem pelo menos 5.000 militantes devidamente identificados, tendo com isso levantado uma autêntica revolução. Isto da parte dos mesmos que querem a abolição do segredo bancário para todos os cidadãos e não enjeitam em devassar a sua vida privada.

Ora, considerando um total nacional de mais de oito milhões de votantes, temos dentro do PS e PSD, no melhor dos casos, um total de 133.000 militantes, sendo que metade não vota. Dos que votam, a maioria deles vota com quotas pagas pelos caciques.

Haja a coragem de radiografar os partidos e fazer um levantamento do perfil dos seus militantes e depressa se vai concluir que, na sua grande maioria, votam em quem lhes mandam votar, a troco de milhares de pequenos favores. A sua capacidade e entendimento do votar é muito limitada e as carências são inúmeras.

A discussão política dos problemas reais do país passa ao lado da vida interna dos partidos, que perdem todo o tempo digladiando-se entre facções e encontrando dentro do partido os seus maiores inimigos. As sinergias estão arredias, pior, o objectivo nacional é completamente arredado e dá lugar a guerras constantes que paralisam toda a estrutura partidária.

Apetece perguntar como podem surgir dentro de um universo de votantes inferior a 0.01% do total nacional de votantes, os melhores servidores para o País?

O resto imenso dos portugueses não conta? Sempre serão 99,99 %!

Não seriam precisas tantas explicações para se perceber que, com honrosas excepções, o partido e o País ficam entregues aos cacique que manipulam a maioria dos militantes. As excepções vão sendo marginalizadas.

Como podem os partidos deter tanto poder?

Será que qualquer um líder dos partidos é o melhor primeiro-ministro para Portugal?

Só com muita sorte. E se isso for possível, estará ele como candidato preparado para tal, perdido que andou em tanta luta para conquistar o poder e manter o partido unido? Afastado ou nunca empossado na gestão de qualquer grande empresa! Sem nunca ter participado em qualquer governo, nem sequer como secretário de Estado. Com habilitações de qualidade duvidosa!

Hoje, o objectivo de um líder partidário é governar o país e não o partido.

Não esquecer que o actual primeiro-ministro já falhou a maioria das promessas que fez em campanha! A realidade que encontrou no País era outra e ele desconhecia-a.

Mesmo assim como está a vida económica de Portugal, e a crise da educação, saúde e justiça? Como vamos solucionar o desemprego e a reforma do Estado? Estará o tão apregoado Plano Tecnológico a servir a economia, para além da entrega gratuita de computadores?

Será a profusa distribuição de diplomas do 12.º ano o melhor caminho para a educação, se pusermos de fora as estatísticas?

Como ficou a tão contestada avaliação dos professores?

Porque vão milhares de portugueses a Cuba ser operados se tudo vai bem? A expensas das autarquias?

Muito, muito mais se poderia perguntar e dizer calando as loas publicitárias de alguns média e do próprio governo.

O povo já fez a sua parte, apertando o cinto para equilibrar as finanças públicas e enfrentar o custo de vida e o desemprego!

Por fim, não é mais possível acreditar que o melhor primeiro-ministro de um país tenha que sair de dentro de um partido. Outro caminho teremos de encontrar e deixar para o líder partidário o difícil papel de apoiar e descobrir o melhor primeiro-ministro na sociedade civil, com provas dadas.

 

António Reis Luz

Militante Partidário



Publicado por rui.freitas às 01:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

4 comentários:
De Tortuoso et Sinuoso a 30 de Abril de 2008 às 02:13
Tudo o que está dito, até que, ... pode ser Verdadeiro!
Mas, então o que dizer do sr. Vereador Pedro Simões (eleito PSD) da CMO!!!???
Aceita pelouros, à revelia dos outros Vereadore e dos restantes dirigentes locais, só porque ... o actual DIKTAT politico do PSD Nacional ( no que diz respeito, ao respeito, ... não há respeito nenhum???) assim o permite !!!??
QUE GRANDE TRAPALHADA E ... Sacada de GATOS !!!!
ORGANIZEM-SE, PORRA!!!!


De rui.freitas a 1 de Maio de 2008 às 04:10
Ó "Tortuoso",
A vida é assim... tortuosa, indecifrável e, às vezes, "a razão tem razões que a própria razão desconhece"! Ou será que não?
Como já disse em resposta a comentário anterior, só estranho (ou não) a demora na aceitação de Pelouro(s)... sejam eles quais forem.
O que é preciso é aceitar, estar do lado e ao lado de... o resto, não importa.
Será o Pelouro dos cemitérios? É o mais provável. Não vejo outro que melhor se aplique a este caso de puro desrespeito a uma equipa que, agora, não é de quatro mas sim de "três mais um"!
As boas acções ficam com quem as pratica...


De IM a 4 de Maio de 2008 às 02:57
"pelouro dos cemitérios"


Genial! ;)


bj
I.


De rui.freitas a 4 de Maio de 2008 às 18:43
Isabel, presumo que este comentário está deslocado neste "post", mas garanto-lhe que foi o que me ocorreu de mais apropriado!


Comentar post

Sempre na hora certa
anti-corrupção
Visitantes desde Maio 06
Acordo Ortográfico
Prémios recebidos
ThinkingBlogger blog com tomates
Visitantes on-line
online
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Obituário (1): faleceu o ...

De mim, para todos...

Poupança ou... desperdíci...

Já assinou?

Mais uma derrota... que n...

Mais uma derrota... que n...

"Despachados" e secretari...

Até a(s) barraca(s) abana...

Levantando um pouco do vé...

A "importância" do PDM-Oe...

Perguntar, não ofende...

Fim das sondagens sobre o...

29 de Setembro, no Municí...

Até já!

Por esta, muito menos... ...

Por esta, não esperava eu...

Fiquei com uma dúvida...

Revisão do PDM de Oeiras

Apagar o fogo com... gaso...

Isabel Sande e Castro: a ...

Ai João, João...

A "importância" do PDM-Oe...

Ainda o PDM: BE questiona...

PDM Oeiras já está em dis...

"Palavra, depois de dita....

Há cada mistério...

Desfeito o "mistério"...

Esta, sim, é uma excelent...

Temos candidato à Junta d...

Vou Cabo Verde

Ou és por mim...

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Meteorologia
     
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS