Domingo, 1 de Março de 2009
Congresso Nacional do PS

Terminou o XVI Congresso Nacional do PS e, por isso, aqui deixo o meu contributo...

 

 

E ainda há quem diga que "ele" mente...!



Publicado por rui.freitas às 23:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

13 comentários:
De Paulo Lopes a 2 de Março de 2009 às 11:33
Rui,
Terminou o congresso e se calhar nem valia a pena ter começado.
Para anunciar o Vital Moreira e umas bolsas de estudos para jovens dos 15 aos 18 anos, bastava uma conferencia de imprensa.
Agora é sempre um prazer, ver estas recordações que nos traz de vez enquando e que nos vão lembrando o quanto vamos estando pior.
Um abraço e continue a publicar,
Paulo Lopes


De rui.freitas a 6 de Março de 2009 às 00:26
Obrigado, Amigo Paulo, pelo incentivo bem necessário!
Quanto à "publicidade"; você sabe que ele gosta de fazer tudo "em grande"... até a mentir!
Prometeu 500.000 "magalhães", mas grande parte dos alunos ainda esperam, enquanto o "caixeiro-viajante" oferece mais 12.000 para a "estranja".
Tudo "em grande"; Portugal e os Portugueses, cada dia mais pequenos e enfezados!


De Isabel Magalhães a 2 de Março de 2009 às 12:27
Amigo Rui;

Os portugueses são uns 'ingratos'! O homem, de vez em quando, - muito de vez em quando - foge-lhe a boca para a verdade.

Abraço

I.


De rui.freitas a 6 de Março de 2009 às 00:28
Obrigado, Isabel. É sempre agradável ler os seus comentários!
Há portugueses tão ingratos, mas tão ingratos, que ainda pensam voltar a votar nele...


De Isabel Magalhães a 2 de Março de 2009 às 12:34
Amigo Rui;

Sobre o seu questionário na barra lateral...

Talvez, quem sabe! se mudasse a ortografia para "FREEPÓR" desse, sei lá! a possibilidade de voto a mais pessoas!

;)


De rui.freitas a 6 de Março de 2009 às 00:30
Ih! Ih! Ih!
Mas o que é isso do "Freeport" ou "Freepór"?
É de comer? Deu de comer a alguém? Ih! Ih! Ih!


De cudeoeiras a 2 de Março de 2009 às 17:42
Rui, pelos vistos eu faço parte da "cambada de burros e ignorantes", não porque "não queira abrir mão dos meus privilégios injustificados", mas porque ainda consigo distinguir realidade de propaganda pura e dura... digo eu!

Boavida


De rui.freitas a 6 de Março de 2009 às 00:36
Amigo Boavida, deixa lá, não estás sozinho no grupo dos "burros e ignorantes"; já somos dois!
Conheço alguns que, mesmo mantendo as "aspas", são-no porque querem ou lhes dá jeito ou... porque sim!
Quanto ao artigo do Mário Crespo, já o tinha lido e guardado... para mais tarde recordar!
Não se perde!


De cudeoeiras a 3 de Março de 2009 às 16:47
Amigo Rui, a única verdade do Engº José Socrates é a do: “Façamos de conta que nada aconteceu” dito pelo teu colega jornalista Mário Crespo, grande exemplo de como se pode ser Jornalista com um Jota Grande!

A primeira vez que lembro Mário Crespo foi algures no início dos anos oitenta. Penso que ele estava a fazer uma reportagem num país africano e, em directo, alguém lhe mandou um valente empurrão que o fez voar para fora do écran com um sonoro e involuntário"FOxx-SE!".

O Foxx-se do Mário Crespo foi um sucesso na época, porque até então não se tinha ouvido um repórter a soltar palavrões em directo, mesmo que involuntários. Desde essa altura que acho piada ao Mário Crespo – um gajo que coloca Foxxsses involuntários no ar é um gajo que merece todo o meu respeito, neste paizinho onde os Foxx-se se dizem à boca calada ou à porta fechada, e cada vez menos em directo.

Recentemente o Mário Crespo escreveu um Foxx-se. Foi no Jornal de Notícias. Desta vez não foi um Fo---se involuntário, foi mesmo à séria. Mais uma vez achei piada ao Mário Crespo. E como gajo que merece todo o meu respeito, aqui segue o seu mais actual Foxx-se. Que pena não existirem mais Mário Crespos por aí…

“Façamos de conta que nada aconteceu no Freeport. Que não houve invulgaridades no processo de licenciamento e que despachos ministeriais a três dias do fim de um governo são coisa normal. Que não houve tios e primos a falar para sobrinhas e sobrinhos e a referir montantes de milhões (contos, libras, euros?). Façamos de conta que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo.

Façamos de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês. Façamos de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral de que, pelo que sabe, no Freeport está tudo bem e é em termos quid juris irrepreensível. Façamos de conta que aceitamos o mestrado em Gestão com que na mesma entrevista Freitas do Amaral distinguiu o primeiro-ministro e façamos de conta que não é absurdo colocá-lo numa das "melhores posições no Mundo" para enfrentar a crise devido aos prodígios académicos que Freitas do Amaral lhe reconheceu. Façamos de conta que, como o afirma o professor Correia de Campos, tudo isto não passa de uma invenção dosmédia.

Continua no comentário seguinte.



De cudeoeiras a 3 de Março de 2009 às 16:48
Façamos de conta que o "Magalhães" é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação. Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo. Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que "quem se mete com o PS leva". Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de "malhar na Direita" (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda). Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport. Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal.

Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a "falta de liberdade". E Manuel Alegre também. Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus. Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República. Façamos de conta que não há SIS. Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso.

Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que votamos.

Mário Crespo

Abraço
Boavida Pires


De cudeoeiras a 3 de Março de 2009 às 16:49
Façamos de conta que o "Magalhães" é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação. Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo. Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que "quem se mete com o PS leva". Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de "malhar na Direita" (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda). Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport. Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal.

Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a "falta de liberdade". E Manuel Alegre também. Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus. Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República. Façamos de conta que não há SIS. Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso.

Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que votamos.

Mário Crespo

Abraço
Boavida Pires


De Isabel Magalhães a 9 de Março de 2009 às 15:35
Amigo Rui;


"FREEPÓ" é a pronúncia usada e recomendada por quem fez exame de Inglês Técnico na UI... por fax, com cartão VIP! LOL


De rui.freitas a 10 de Março de 2009 às 00:37
Num "país a sério", esse "freepó" seria igual a um "po-pó" para meter dentro de grades "muito boa gente". Mas estamos em Portugal... e ninguém leva a mal !
Nunca esqueci um episódio verídico que li há uns anos, acerca duma ministra alemão que, tendo o seu carro pessoal avariado, pediu ao motorista que levasse a sua filha à escola. Resultado: alguns jornais criticaram o "abuso" e a dita ministra demitiu-se, sem mais...
Já não peço tanto, mas que já não há vergonha, isso é verdade!


Comentar post

Sempre na hora certa
anti-corrupção
Visitantes desde Maio 06
Acordo Ortográfico
Prémios recebidos
ThinkingBlogger blog com tomates
Visitantes on-line
online
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Obituário (1): faleceu o ...

De mim, para todos...

Poupança ou... desperdíci...

Já assinou?

Mais uma derrota... que n...

Mais uma derrota... que n...

"Despachados" e secretari...

Até a(s) barraca(s) abana...

Levantando um pouco do vé...

A "importância" do PDM-Oe...

Perguntar, não ofende...

Fim das sondagens sobre o...

29 de Setembro, no Municí...

Até já!

Por esta, muito menos... ...

Por esta, não esperava eu...

Fiquei com uma dúvida...

Revisão do PDM de Oeiras

Apagar o fogo com... gaso...

Isabel Sande e Castro: a ...

Ai João, João...

A "importância" do PDM-Oe...

Ainda o PDM: BE questiona...

PDM Oeiras já está em dis...

"Palavra, depois de dita....

Há cada mistério...

Desfeito o "mistério"...

Esta, sim, é uma excelent...

Temos candidato à Junta d...

Vou Cabo Verde

Ou és por mim...

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Meteorologia
     
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS