Terça-feira, 20 de Abril de 2010
Memórias do Portugal respeitado

Sem qualquer comentário da minha parte, deixo ao vosso critério a lição a tirar do post acima titulado e publicado no Blog "A bem da Nação"!

 

"Corria o ano da graça de 1962. A Embaixada de Portugal em Washington recebe pela mala diplomática um cheque de 3 milhões de dólares (em termos actuais algo parecido com € 50 milhões) com instruções para o encaminhar ao State Department para pagamento da primeira tranche do empréstimo feito pelos EUA a Portugal, ao abrigo do Plano Marshall.

O embaixador incumbiu-me – ao tempo era eu Primeiro Secretário da Embaixada – dessa missão.

Aberto o expediente, estabeleci contacto telefónico com a desk portuguesa, pedi para ser recebido e, a pedido do funcionário encarregado da desk, disse ao que ia. O colega americano ficou algo perturbado e, contra o costume, pediu tempo para responder. Recebeu-me nessa tarde, no final do expediente. Disse-me que certamente havia um mal entendido da parte do governo português. Nada havia ficado estabelecido quanto ao pagamento do empréstimo e não seria aquele o momento adequado para criar precedentes ou estabelecer doutrina na matéria. Aconselhou a devolver o cheque a Lisboa, sugerindo que o mesmo fosse depositado numa conta a abrir para o efeito num Banco português, até que algo fosse decidido sobre o destino a dar a tal dinheiro. De qualquer maneira, o dinheiro ficaria em Portugal. Não estava previsto o seu regresso aos EUA.

Transmiti imediatamente esta posição a Lisboa, pensando que a notícia seria bem recebida, sobretudo num altura em que o Tesouro Português estava a braços com os custos da guerra em África. Pensei mal. A resposta veio imediata e chispava lume. Não posso garantir a esta distância a exactidão dos termos mas era algo do tipo: "Pague já e exija recibo". No dia seguinte, sem aviso prévio, voltei à desk e comuniquei a posição de Lisboa.

Lançada estava a confusão no Foggy Bottom: - não havia precedentes, nunca ninguém tinha pago empréstimos do Plano Marshall; muitos consideravam que empréstimo, no caso, era mera descrição; nem o State Department, nem qualquer outro órgão federal, estava autorizado a receber verbas provenientes de amortizações deste tipo. O colega americano ainda balbuciou uma sugestão de alteração da posição de Lisboa mas fiz-lhe ver que não era alternativa a considerar. A decisão do governo português era irrevogável.

Reuniram-se então os cérebros da task force que estabelecia as práticas a seguir em casos sem precedentes e concluíram que o Secretário de Estado - ao tempo Dean Rusk - teria que pedir autorização ao Congresso para receber o pagamento português. E assim foi feito. Quando o pedido chegou ao Congresso atingiu implicitamente as mesas dos correspondentes dos meios de comunicação e fez manchete nos principais jornais. "Portugal, o país mais pequeno da Europa, faz questão de pagar o empréstimo do Plano Marshall"; "Salazar não quer ficar a dever ao tio Sam" e outros títulos do mesmo teor anunciavam aos leitores americanos que na Europa havia um país – Portugal – que respeitava os seus compromissos.

Anos mais tarde conheci o Dr. Aureliano Felísmino, Director-Geral perpétuo da Contabilidade Pública durante o salazarismo (e autor de umas famosas circulares conhecidas ao tempo por "Ordenações Felismínicas" as quais produziam mais efeito do que os decretos do governo). Aproveitei para lhe perguntar por que razão fizemos tanta questão de pagar o empréstimo que mais ninguém pagou. Respondeu-me empertigado: - "Um país pequeno só tem uma maneira de se fazer respeitar – é nada dever a quem quer que seja".

Lembrei-me desta gente e destas máximas quando há dias vi na televisão o nosso Presidente da República a ser enxovalhado pública e grosseiramente pelo seu congénere checo a propósito de dívidas acumuladas.

Eu ainda me lembro de tais coisas, mas a grande maioria dos Portugueses de hoje nem esse consolo tem.

 

Estoril, 18 de Abril de 2010

 

 

Luís Soares de Oliveira"



Publicado por rui.freitas às 23:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

3 comentários:
De eduardo a 21 de Abril de 2010 às 11:23
A recusa do governo português de então também poderia ter a ver com uma larga corrupção à escala internacional, surgida na altura do plano Marshall.Algo que era visto com condescendência pelos governantes americanos, um pouco como o que foi feito pelo governo espanhol antes da aclamação de Filipe I de Portugal pelas cortes de Tomar.
Um forte sentido da Nação de que,também hoje, se abdica em favor duma nação europeia.
Custe-nos ou não, são opções de todos os governos portugueses pós- 25 de Abril. Custe-nos ou não os checos também são europeus como nós e pagam impostos para a Europa como nós e se todos barafustamos cá dentro do pequeno rectângulo por causa da fiscalidade, por que razão não se barafustará no polígono europeu quando práticas nacionais locais sobrecarregam outros países.
Se queremos lá continuar é bom que nos habituemos a situações destas e se não queremos ser "enxovalhados" por gastar demais saiamos desta casa europeia.
É preciso coerência em todos os períodos da nossa história.


De rui.freitas a 28 de Abril de 2010 às 00:29
Caro Eduardo, não posso deixar de estar de acordo consigo, mas...
A corrupção não terminou nem ninguém - em bom rigor - pretende acabar com ela; Porquê?
Os governantes norte-americanos sempre foram muito "amigos" de quem é amigo deles;
O problema está nesta sua frase (correctíssima): "Um forte sentido da Nação de que, também hoje, se abdica em favor duma nação europeia." Porque temos de abdicar do sentido de Nação? Nação Europeia? Europa dos Cidadãos? O que é isso? O cidadão comum (como eu e muitos milhões) está satisfeito? O Tratado de Lisboa (e outras decisões importantes para o nosso Futuro) foi perguntado a quem?
Claro que os Checos podem (e devem) barafustar´; daí até me ofenderem, vai uma grande distância...
Sigo a velha máxima: eu posso dizer mal do meu governo... estrangeiros a fazê-lo, dá-me volta ao estômago! Desculpe, mas eu sou assim!
Quanto ao "gastarmos demais", pergunto: quem gasta demais? O português comum e corrente? Não!
E porque não "sairmos da casa europeia"? Só porque "nos dizem" que seria um suicídio?
Seria?
Pelo "andar da carruagem", não sei!


De eduardo a 30 de Abril de 2010 às 23:27
Caro Rui Freitas
Começando pelofim, porque não sair da casa europeia? Boa pergunta!
E porque não sair da democracia? Seria suicídio? Porquê? Só porque nos dizem?
Meu caro, as perguntas são mais que muitas, não acabam.
O problema é que quem cala consente e consentimos na democracia, na Europa, na corrupção e tudo o mais. A vida é assim mesmo. Mas temos de ser crescidinhos e assumir as nossas responsabilidades para não ouvir coisas desagradáveis. C'est la vie.


Comentar post

Sempre na hora certa
anti-corrupção
Visitantes desde Maio 06
Acordo Ortográfico
Prémios recebidos
ThinkingBlogger blog com tomates
Visitantes on-line
online
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Obituário (1): faleceu o ...

De mim, para todos...

Poupança ou... desperdíci...

Já assinou?

Mais uma derrota... que n...

Mais uma derrota... que n...

"Despachados" e secretari...

Até a(s) barraca(s) abana...

Levantando um pouco do vé...

A "importância" do PDM-Oe...

Perguntar, não ofende...

Fim das sondagens sobre o...

29 de Setembro, no Municí...

Até já!

Por esta, muito menos... ...

Por esta, não esperava eu...

Fiquei com uma dúvida...

Revisão do PDM de Oeiras

Apagar o fogo com... gaso...

Isabel Sande e Castro: a ...

Ai João, João...

A "importância" do PDM-Oe...

Ainda o PDM: BE questiona...

PDM Oeiras já está em dis...

"Palavra, depois de dita....

Há cada mistério...

Desfeito o "mistério"...

Esta, sim, é uma excelent...

Temos candidato à Junta d...

Vou Cabo Verde

Ou és por mim...

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Meteorologia
     
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS