Quinta-feira, 14 de Outubro de 2010
Explicar mais e melhor, é impossível.

Hoje, o Conselho de Ministros terá audiências com os partidos políticos com assento Parlamentar, a quem apresentará a Proposta do Orçamento de Estado para 2011.

É caso para dizermos: finalmente! Moveram-se céu e terra, montanhas até, banqueiros chegaram à fala com Pedro Passos Coelho (o que é, desde logo, um mau sinal... se a Banca quer o sim...), os jornais, rádios, televisões, opinion makers, algumas figuras gradas do PSD, enfim, esquecendo uma coisinha simples como esta: Até agora, o Partido Social Democrata (leia-se, Pedro Passos Coelho) tem sido acusado de não dizer se irá votar o documento favorável ou desfavoravelmente, como se fosse possível a alguém, no seu perfeito juízo, emitir opinião sobre algo que desconhece.

Entretanto, PPC repetia à exaustão as razões que lhe assistem e com as quais concordo em absoluto, mesmo não lhe tendo dado o meu voto.

 

 

E, se estas não chegarem, trago-vos duas mais, deixando alguns "recortes de Imprensa" para amanhã, de modo a refrescar memórias!

 

José Sócrates, peça desculpa 

Está em vigor uma espécie de relativismo socrático: diz-se, sem vergonha, que Sócrates e Passos são os culpados. Mas como é que se pode equiparar um homem que está no poder há 15 anos com um homem que chegou à oposição há 5 meses? 

I. A sensação repete-se: parece que a cultura política portuguesa se resume a um mero jogo politiqueiro, sem relação com os factos e números da Política. A cada semana, aparece um novo jogo tático, que nos afasta das questões centrais. Neste jogo semanal/mediático, o país perde um mínimo de profundidade temporal. As semanas repetem-se umas atrás das outras, como se fossem sucessivos "anos zero" que impossibilitam raciocínios com mais de umas semanas de profundidade. Nos últimas semanas, precisamente, criou-se esta estranha ideia: Sócrates e Passos são os culpados, em igual medida, pela situação do país. Li e ouvi várias pessoas com responsabilidade a dizer isto. Mas vamos lá a factos.
II. O PS está no poder há 15 anos. Ou melhor, nos últimos 15 anos, o PS governou 12 e meio (a "AD" Barroso/Portas governou 2.5). Parece-me evidente que o principal culpado por esta crise dá pelo nome de PS. É uma questão de facto. Até pelo seguinte: até 1999, Portugal cresceu. Hoje, quando olhamos para os números de crescimento dos anos 80 e 90, Portugal parecia um paraíso. Se existisse uma lista de culpados, Sócrates estaria no topo. Agora, pergunto: como é que se pode equiparar Sócrates a Passos? Ora, nestes 15 anos de Era Socialista, Sócrates foi ministro e, agora, é primeiro-ministro desde 2005. Entre 2005 e 2010, este homem mentiu e enterrou Portugal várias vezes.
III. Sócrates e Teixeira dos Santos, com objectivos puramente eleitoralistas, esconderam a real dimensão das contas públicas até Novembro do ano passado. Depois, entre Novembro e Maio, recusaram a realidade. Entre Maio e Setembro, semi-assumiram a realidade. A partir de 29 de Setembro, a realidade bateu-lhes à porta, trazendo um recado de Berlim: "acabou a brincadeira". Isto não é só incompetência. É irresponsabilidade (só assumiram a verdade quando Cavaco já não podia dissolver a assembleia) e vaidade (não queriam assumir que estavam errados). Entretanto, vamos descobrindo os milhões que temos para pagar em PPP que só beneficiam as empresas de construção do costume; vamos descobrindo que o PS criou, em 5 anos, mais "fundações" do que o conjunto de fundações criado em todo o século XX (havia uma música que dizia "boys, boys, boys"); vamos descobrindo o dinheiro que José Sócrates gasta na sua propaganda. Um dia, gostava de ver este indivíduo a pedir desculpa aos portugueses."

 

Henrique Raposo - Expresso - 13.10.2010

 

Iludir o óbvio não nos salva

Antes da estafada crise global já o Governo tinha aumentado a despesa corrente do Estado em mais de 12 mil milhões
A tendência para iludir o óbvio foi classificada por Freud como a primeira paixão da humanidade. Não me recordo se o ilustre "psi" clarificou que é sempre a fuga à violência de uma realidade que explica o mecanismo dessa estranha paixão. Mas posso garantir-vos, com a experiência dos desaires que sofri, que iludir o óbvio nunca nos salva.

É óbvio que agarrar nos mais de dois mil milhões de euros do Fundo de Pensões da PT e com eles reduzir artificialmente o défice público é uma intrusão inqualificável na gestão de uma empresa privada e uma trapaça política que catapulta um enorme risco futuro para o Estado, leia-se contribuintes.

É óbvio que transformar quatro mil milhões de dívida privada do BPN em dívida pública, a pagar agora pelos funcionários públicos, pelos reformados e pelos desempregados, foi mais fácil que meter na prisão os responsáveis.

É óbvio que só um desmesurado despudor permite ao Governo dizer que não sabia que tinha um submarino para pagar.

É óbvio que antes da estafada crise global já o Governo tinha aumentado a despesa corrente do Estado em mais de 12 mil milhões de euros e arrecadado, de aumento de impostos e contribuições para a Segurança Social, mais nove mil milhões.

É óbvio que a descida do IVA e o aumento de 2,9 por cento da função pública foram vis manobras eleitorais, que o orçamento de 2010 foi um orçamento de mentira, que os PEC são expedientes mistificadores incapazes de alterar a trajectória suicida do Estado e que o Governo sonegou, sistematicamente, a deplorável situação das contas públicas.

É óbvio que o problema de Portugal, sendo a dívida grande, não é a dívida. É a ameaça de não a poder pagar com uma economia que não cresce, uma produção que se apouca ante um consumo que se agiganta, um desemprego imparável, uma taxa de investimento em derrapagem e um constante aumento dos custos de produção: capital, energia e transportes.

É óbvio que chegámos aqui empurrados por gente trapaceira, por um Governo e um homem que se permitiram, a golpes de decretos-leis iníquos, impor políticas financeiras, económicas, educativas e de saúde erradas, protegidos por uma justiça injusta.

É óbvio que só a promoção do investimento produtivo, o aumento do que vendemos lá fora, a diminuição do que compramos cá para dentro e a recondução do Estado ao seu papel de árbitro justo de interesses opostos nos poderá arrancar às garras de uma máfia de especuladores e agiotas, a que alguns chamam mercado.

É óbvio que a anunciada "corajosa austeridade" não muda o futuro. Safa efemeramente, se safar, o passado recente, extorquindo uma vez mais os cidadãos, esmagando os que não tiveram culpa, sem sequer apontar os que engordaram, enterrando o país. É óbvio que o tempo político deste Estado relapso, que permitiu que gente sem vergonha arrastasse na lama a ética da vida pública, se extinguiu. É óbvio que carrascos não viram salvadores. É óbvio que coveiros não salvam moribundos.

Para iludir o óbvio, bem mais extenso que a síntese supra, uma elite pensante, que reúne notáveis do PSD, economistas de renome (que passaram pelo governo sem fazerem o que agora recomendam) e até o pai do "monstro", que é, nada mais, nada menos, como bem recordou Miguel Cadilhe, Aníbal Cavaco Silva, tem acenado, até à exaustão, com uma realidade violenta: um desastre nacional, se o Orçamento não for aprovado. Talvez tenham razão, ou talvez se imponha antes a lógica de Tiririca (nome artístico de um humorista brasileiro, analfabeto ao que consta, eleito deputado federal por S. Paulo com o segundo maior resultado de sempre, que promoveu a candidatura com este slogan: "Pior do que está não fica. Vote Tiririca!"). Mas entre estes especialistas do pensamento inevitável e Tiririca há, pelo menos, uma irracionalidade que espanta e nenhuma violência de cenário ilude. Então não se sentem incomodados por advogarem a aprovação de um Orçamento do Estado que ainda não foi sequer apresentado e ninguém conhece? Acham que os mercados financeiros ficarão serenos se o Orçamento do Estado estrangular a mais remota hipótese de crescimento económico? Que ficam contentes qualquer que seja o cenário macroeconómico em que o Orçamento assente? Que não se incomodarão com a hipotética persistência em adiar o saneamento das estruturas inúteis do Estado? Economistas e políticos que são, aceitam a continuada recusa do Governo em abrir ao escrutínio da oposição, com verdade e transparência, as contas da execução de 2010, indispensáveis para avaliar a seriedade de 2011?

Sócrates e Teixeira dos Santos desceram a longa ladeira da credibilidade, condenados por si próprios ao suplício de Sísifo. Se o fizeram por incompetência ou por dolo é coisa que se apuraria na Islândia. Mas acabaram. Com ou sem orçamento. Advogar que lhe passemos um cheque em branco, mais um, ignorando o óbvio por receio da realidade violenta é, mais que confirmar a curiosa tese de Freud, impor aos que ainda não ensandeceram o grotesco de Tiririca. Nem o interesse dum futuro candidato à presidência da pobre República o justifica."

 

Santana Castilho - Professor do ensino superior



Publicado por rui.freitas às 01:03
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

4 comentários:
De espiga doro a 14 de Outubro de 2010 às 23:35
Oh Campilho porque é que não vais apanhar laranjas para a Turquia?


De rui.freitas a 16 de Outubro de 2010 às 02:05
Por mim, tudo be, Caro(a) espiga doro, mas este comentário não pertence aqui...


De Zé Alves a 16 de Outubro de 2010 às 14:12
Depois da entrega do MEIO ORÇAMENTO, mais uma novidade e sui generis desta trampa de Governo, será que Passos Coelho ainda pensa em o viabilizar?
Ainda com Ferreira Leite á frente do PSD, o ORÇAMENTO RECTIFICATIVO passou a ORÇAMENTO REDISTRIBUTIVO (tá-se mesmo a ver o tipo de redistribuição), agora é o MEIO ORÇAMENTO!


De rui.freitas a 17 de Outubro de 2010 às 02:10
Alguma sorte, era eles aplicarem só metade das medidas asfixiadoras que prevêm... Mas era bom demais.
Fico à espera da decisão final de Pedro Passos Coelho, ou seja, à espera de um NÃO AO OE 2011.
A chantagem de Teixeira dos Santos, acenando com o FMI, é de bradar aos céus, como se o FMI conseguisse apertar-nos mais do que eles!!!


Comentar post

Sempre na hora certa
anti-corrupção
Visitantes desde Maio 06
Acordo Ortográfico
Prémios recebidos
ThinkingBlogger blog com tomates
Visitantes on-line
online
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Obituário (1): faleceu o ...

De mim, para todos...

Poupança ou... desperdíci...

Já assinou?

Mais uma derrota... que n...

Mais uma derrota... que n...

"Despachados" e secretari...

Até a(s) barraca(s) abana...

Levantando um pouco do vé...

A "importância" do PDM-Oe...

Perguntar, não ofende...

Fim das sondagens sobre o...

29 de Setembro, no Municí...

Até já!

Por esta, muito menos... ...

Por esta, não esperava eu...

Fiquei com uma dúvida...

Revisão do PDM de Oeiras

Apagar o fogo com... gaso...

Isabel Sande e Castro: a ...

Ai João, João...

A "importância" do PDM-Oe...

Ainda o PDM: BE questiona...

PDM Oeiras já está em dis...

"Palavra, depois de dita....

Há cada mistério...

Desfeito o "mistério"...

Esta, sim, é uma excelent...

Temos candidato à Junta d...

Vou Cabo Verde

Ou és por mim...

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Meteorologia
     
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS