Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2008
"Mudar de Vida"

À maioria dos leitores do "Pinhanços", este slogan nada dirá, razão pela qual terão de me permitir uma pequena mas necessariamente resumida nota introdutória.

Ele é (foi...) o corolário de uma série de encontros de Militantes que, após a vitória do movimento IOMAF em Outubro de 2005 e consequente "transferência descarada" de "companheiros" do PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA para o lado do movimento ganhador, decidiram reunir-se para debaterem o melhor caminho e estratégia a seguir, perante este novo cenário.

Ao fim de vários encontros, em Paço de Arcos, surge um pequeno núcleo de militantes a defender a proposta que lhes havia sido feita de virem a integrar a Comissão Política da Secção de Oeiras do PSD a eleger em Setembro de 2006, encabeçada por Pedro Afonso Paulo.

A tese desse grupo - curiosamente liderado pelo companheiro que havia criado o slogan "Mudar de Vida" -, era a de que, se "fôssemos a votos" contra a lista que se presumia vir a ser integrada pelos tais "companheiros auto-transferidos", elegeríamos - no máximo - cinco elementos... Por outro lado, se os militantes descontentes (chamemos-lhes assim) estivessem integrados na nova CP "miscelânizada", melhor poderiam fazer vingar a justeza das nossas razões...

Questionados sobre que contrapartidas eram garantidas aos Militantes que abraçram o projecto "Mudar de Vida", foi-nos dito... nada, razão pela qual eu e muitos outros Companheiros se afastaram desse mesmo projecto.

Que aconteceu?

A nova CP então eleita, veio a integrar apenas cinco desses Militantes... exactamente tantos quantos havíamos previsto eleger, só que já sem a capacidade moral de poderem reivindicar o que quer que fosse... como sucedeu.

É o que mais uma vez designo por "ter razão antes do tempo"!

Sendo que esta Comissão Política cessa o seu mandato de dois anos em Setembro próximo, e dado que "se fala" já no nome de Alexandre Luz (o único dos três irmãos a quem, pessoalmente, nada tenho a apontar no trato comigo) para suceder ao actual presidente (como, aliás, já foi referido num comentário colocado neste blog), entendi chegado o momento de continuar a colocar os "pontos nos iis" sobre o que realmente se passa na Secção de Oeiras e que prova que os "zum-zuns" que ouvia tinham algum fundo de verdade!

A mesmíssima Secção que exigiu disciplina de voto (favorável, claro...) aos quatro Vereadores do PSD quando da apresentação das GOP's e Orçamento da CMO para 2008; que me "convocou" (em terceira mão, como então referi) para uma reunião na sede e que, mais recentemente (segundo o coordenador do Gabinete das Freguesias, Nuno Luís), me queria "obrigar" a indicar um elemento da Bancada PSD para o Executivo da Junta de Paço de Arcos, quando eu defendia exactamente o contrário, por razões meramente político-partidárias.

Quase me apetece dizer como o presidente do Partido: este não é "o meu PSD", ou então, que este não é "o antigo PSD"... Só que ele disse-o noutro contexto MUITO diferente e que não vou abordar aqui hoje!

Vem isto a propósito da carta que o Companheiro Rui Santos Alves (vice-presidente da CP da Secção) enviou recentemente ao presidente da mesma, Pedro Paulo, e que aqui reproduzo, com a devida autorização, não sem antes "deixar um aviso à navegação" de que outras saídas estão iminentes:

 

"

Exmo. Senhor

Presidente da Comissão Política

Secção de Oeiras do PSD

 

Meu caro Pedro Afonso Paulo,

 

Quando, em Setembro de 2006, criámos condições para a constituição da actual Comissão Política da Secção, fizemo-lo, se bem te recordas, para procurar tirar o PSD/OEIRAS da inércia em que se encontrava e para restaurar a unidade interna que havia sido gravemente atingida na sequência da cisão verificada aquando das eleições autárquicas. Contra tudo e contra todos conseguimos construir uma lista consensual que, ainda hoje, se mantém em funções.

Porém, decorrido quase um ano e meio, constata-se que o trabalho realizado foi praticamente inexistente e que a Comissão Política não actua, verdadeiramente, como equipa. Reúne de forma gritantemente inconstante – presumo que condicionada pela tua agenda – e, o pouco que funciona, fá-lo de forma fechada e centralizadora. Vícios do antigamente, certamente.

Acresce, como agravante, o facto de, após a mudança da liderança nacional do PSD, terem sido tomadas decisões que, a meu ver, em nada contribuem para a consolidação da unidade interna.

Efectivamente, submeteres à Comissão Política uma proposta que apontava para o envio de carta aos militantes expulsos aquando das autárquicas, convidando-os a regressar é, no mínimo, afrontar os militantes de Oeiras que, com elevado sentido de dedicação e responsabilidade, deram a cara pelo Partido no Concelho em condições particularmente adversas. Acresce, também, que inviabilizar que fosse a Assembleia de Militantes da Secção a pronunciar-se sobre esta questão, constitui uma opção incompreensível.

Pelos vistos, aqueles que mais utilizam a palavra BASES no discurso quotidiano são os mesmos que as ignoram em decisões de grande relevo.

Um ponto que merece especial evidência, prende-se com a decisão da Comissão política em recomendar/impor aos deputados municipais do PSD a votação favorável do Orçamento da Câmara.

 Tomada em reunião em que não estive presente porque alterada, mais uma vez, em cima da hora, é uma decisão insensata e politicamente desastrosa. Insensata porque, como é sabido, vários membros da C.P.S. mantêm vínculos profissionais a gabinetes camarários pelo que, mandaria o bom senso, a assumpção de uma postura mais recatada. 

Politicamente desastrosa porque, ao invés de construir uma alternativa credível e ganhadora para as próximas eleições , o PSD/OEIRAS opta por colar-se ao actual executivo camarário.

Estes são, meu caro Pedro Afonso Paulo, apenas dois exemplos do estado a que chegou o PSD/OEIRAS.

Poderia citar mais alguns como a manifesta marginalização que se constata sempre que ocorrem reuniões da Comissão Política “Alargada” da Distrital. È que sendo tu vice-presidente daquela estrutura, o normal seria que eu, como 1º vice-presidente da secção te substituísse nessas reuniões, fazendo com que a Secção de Oeiras ocupasse o lugar a que tem direito. Contudo,  nunca fui convocado.

Estranho, não é?

E que dizer dos novos militantes trazidos “à pazada “, sem critério algum e, certamente, na maior parte deles, sem qualquer identificação ao ideário social-democrata?.

Por tudo isto, chegou o momento de eu dizer BASTA!

Aquilo que, em Setembro de 2006, me fez acreditar que era possível dar uma nova vida ao PSD/OEIRAS, não passou de uma fugaz ilusão.

Independentemente da demissão que agora formalizo, continuarei, como sempre o fiz ao longo de mais de 33 anos de militância, disponível para ajudar o PSD a recuperar o lugar de primeiro partido de Portugal e dos Portugueses.

 

Melhores cumprimentos

 

C/conhecimento:

Presidente do PSD

Secretário-Geral do PSD

Presidente da Comissão Política da Distrital de Lisboa

Presidente da Assembleia de Secção de Oeiras"



Publicado por rui.freitas às 01:58
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

8 comentários:
De António José a 28 de Fevereiro de 2008 às 11:28
Muito bem.

Gostei do comentário anterior. Vale a pena ter militantes com este calibre.

Abraço


De rui.freitas a 29 de Fevereiro de 2008 às 02:33
Caro António José,
Claro que vale a pena, e só com "militantes deste calibre" é que o PSD poderá voltar a ser o GRANDE PARTIDO que já foi... e que, estou certo, VOLTARÁ A SER!
Mas, como disse acima, todos não seremos demais e, por vezes, os Militantes, os verdadeiros Militantes, "esquecem-se" que a sua intervenção na vida (e nos votos decisivos) da sua Secção, são extremanete importantes.
Isto, se queremos TODOS, mudar de vez este estado de coisas que continua a grassar em Oeiras e no País!


Comentar post

Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Obituário (1): faleceu o ...

De mim, para todos...

Poupança ou... desperdíci...

Já assinou?

Mais uma derrota... que n...

Mais uma derrota... que n...

"Despachados" e secretari...

Até a(s) barraca(s) abana...

Levantando um pouco do vé...

A "importância" do PDM-Oe...

Perguntar, não ofende...

Fim das sondagens sobre o...

29 de Setembro, no Municí...

Até já!

Por esta, muito menos... ...

Por esta, não esperava eu...

Fiquei com uma dúvida...

Revisão do PDM de Oeiras

Apagar o fogo com... gaso...

Isabel Sande e Castro: a ...

Ai João, João...

A "importância" do PDM-Oe...

Ainda o PDM: BE questiona...

PDM Oeiras já está em dis...

"Palavra, depois de dita....

Há cada mistério...

Desfeito o "mistério"...

Esta, sim, é uma excelent...

Temos candidato à Junta d...

Vou Cabo Verde

Ou és por mim...

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS