Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007
ATENÇÃO: IMAGENS MUITO CHOCANTES!

E você: AINDA TEM CORAGEM PARA VOTAR SIM?

000d6c14



Publicado por rui.freitas às 03:59
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

7 comentários:
De IM a 13 de Janeiro de 2007 às 22:16


Companheiro e Amigo Rui;

Venho pedir-lhe o favor de colocar este vídeo no O.L.

Obrigada.

Um abraço.
I.


De rui.freitas a 14 de Janeiro de 2007 às 01:53
Cara Companheira,
Vou tentar, pois nunca "postei" um vídeo no Blogspot.


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2007 às 23:19
Na minha opinião e com conhecimento de situações de mulheres que abortaram, concluí há muito, que a maioria são de um nível socioeconómico elevado .Nesta medida, os que defendem a despenalização do Aborto, são unicamente, aqueles que acham uma «chatice» ter de reservar um bilhete de avião ou ter que ir no seu topo de gama, de propósito a Espanha, porque não há «pachorra» para se abdicar de todas as futilidades imprescindíveis às suas vidas, em prol de uma «criancinha». Pois os pobres continuam a ter filhos, e como dizem«quem alimenta várias bocas,alimenta mais uma» e com AMOR!!Os filhos, são uma oportunidade única e irrepetível,na vida de cada Homem e da Humanidade. Por mim, vinham ao Mundo todas as crianças .Não há arma mais poderosa,que o sorriso de uma criança... EU VOTO NÃO. Tuigui


De rui.freitas a 14 de Janeiro de 2007 às 01:50
"Tuigui",
Como sempre, uma análise correcta. É a chamada "classe alta" quem mais recorre ao Aborto, talvez pelas tais "chatices" que refere na vida das "tias"!
Que mais dizer, se a "Tuigui" já resumiu tudo?!
Apenas desejar-lhe um bom (resto de) fim de semana.


De IM a 14 de Janeiro de 2007 às 14:47
Pois eu 'lamento' discordar.

São as classes economicamente favorecidas que recorrem ao aborto em boas condições de higiene, conforto e mais segurança - em Portugal ou no estrangeiro.
São os mais fragilizados economicamente que recorrem aos 'carniceiros' clandestinos, e que engrossam o obituário nacional. São também essas que dão uma pálida ideia da taxa de abortos feitos no país, quando chegam aos hospitais com sequelas irreversíveis e/ou para morrer.

É preciso investir na educação sexual, seja nas escolas, seja lá onde for para que ninguém possa usar a desculpa do 'não sabia'.

Há contraceptivos à venda em maquinetas, há locais onde a distribuição é gratuita, há, inclusive, a pílula do dia seguinte, que parece estar a ser usada como contraceptivo, segundo li, mas que existe. O que não podem é continuar a haver desculpas para matar.


De Anónimo a 14 de Janeiro de 2007 às 16:30
São de facto as classes economicamente favorecidas, que recorrem ao Aborto em condições excelentes, e é nos Hospitais Públicos em Portugal,que a grande maioria o faz. Também é uma realidade, que as mulheres mais fragilizadas economicamente, colocam a sua vida em perigo ao dirigirem-se a locais clandestinos.
No entanto,reafirmo , pela minha experiência profissional (relacionada precisamente com o tema), que a maioria dos abortos praticados por Portuguesas, são na sua grande maioria das classes economicamente favorecidas, e mais grave ainda, por razões absolutamente« egocentricas ». Haverá sempre mais e mais por dizer, é um tema muito sensível e susceptível, portanto, o mais importante é lutarmos para que todas as crianças venham ao Mundo e que o Mundo as receba condignamente.


De rui.freitas a 15 de Janeiro de 2007 às 02:42
Cara Amiga e Companheira Isabel,
Uma parte do que refere está implícito no comentário acima... Para algumas "tias" tal "chatice" é "resolvida" sob a forma de Aborto, quer seja em Portugal ou no estrangeiro!
Claro que as Mulheres de menores recursos, são presa de autêntico(a)s carniceiro(a)s, mas sem dúvida que, como vítimas que são, têm direito a abertura de telejornais... As "tias", não... claro!
No comentário abaixo, complementa-se a resposta.
Naturalmente que, NUNCA ESTARÁ TUDO DITO!


Comentar post

Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Obituário (1): faleceu o ...

De mim, para todos...

Poupança ou... desperdíci...

Já assinou?

Mais uma derrota... que n...

Mais uma derrota... que n...

"Despachados" e secretari...

Até a(s) barraca(s) abana...

Levantando um pouco do vé...

A "importância" do PDM-Oe...

Perguntar, não ofende...

Fim das sondagens sobre o...

29 de Setembro, no Municí...

Até já!

Por esta, muito menos... ...

Por esta, não esperava eu...

Fiquei com uma dúvida...

Revisão do PDM de Oeiras

Apagar o fogo com... gaso...

Isabel Sande e Castro: a ...

Ai João, João...

A "importância" do PDM-Oe...

Ainda o PDM: BE questiona...

PDM Oeiras já está em dis...

"Palavra, depois de dita....

Há cada mistério...

Desfeito o "mistério"...

Esta, sim, é uma excelent...

Temos candidato à Junta d...

Vou Cabo Verde

Ou és por mim...

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS