Quarta-feira, 19 de Março de 2008
Unidade sem Anestesia (4)

A Globalização e as Quotas dos Partidos

 

Pode parecer absurdo o título mencionado acima, mas talvez não o seja. Os desafios de hoje para qualquer país, de qualquer continente, são tremendos. Quanto às quotas dos partidos veremos mais à frente...

Ainda mais, como se não bastassem os desafios da globalização, temos pela frente o choque da crise financeira mundial, de contornos ainda por definir.

Esquecer que a História não começou com a nossa geração nem irá morrer com ela é mau. As nossas convicções têm de englobar o respeito por aqueles que partiram e mais um (sacrifício?) adicional a favor dos vindouros.

Desgraçadamente quem vive para hoje, por reflexo, ignora o amanhã. Pouco produz e muito consome.

As batalhas põem-se a todos os níveis, mas muito principalmente a favor de uma nova e mais exigente cidadania.

É, em minha opinião, esta postura que deve ser exigida à nossa classe política que, de uma forma sábia, terá de moldar uma nova mentalidade em si própria e na sociedade civil, sem nunca menosprezar os atritos decorrentes, como fez o actual governo, quando confrontado com a grande massa humana de professores que desceu a Avenida da Liberdade e encheu a Praça do Comércio.

A palavra de ordem será de mudança, mas em respeito pelo passado e preparando o futuro. Difícil é, mas não há outro caminho.

Dada a impossibilidade de mudar de povo, urge começar por mudar frontalmente os partidos e a classe política que temos, para que estes façam o resto.

Tal ”classe política” de hoje, é dona e senhora dos partidos e do país. O resultado da sua acção pode ser avaliada pelo estado em que ele se encontra. À beira de uma explosão social e em crescendo de movimentos independentes.

Dez ex-secretários-gerais de um partido protestaram contra as alterações às regras do pagamento de quotas nesse partido, falando mesmo em “ameaça à sua democracia interna”.

Seria isto importante se até agora tivéssemos vislumbrado dentro dos dois maiores partidos nacionais, transparência em toda a sua vida interna.

Fala-se muito das decisões tomadas por um “Aparelho” que nunca é referido nos estatutos, nem ninguém, dentro ou fora dos partidos, sabe por quem é constituído. Ninguém sabe também quais os critérios que conduzem à escolha dos candidatos a sufragar em actos eleitorais, que todo o país paga a peso de ouro.

Mais, é indesmentível que nos maiores partidos não há qualquer discussão política ou ideológica. Tão pouco abordam os reais problemas da sociedade.

A degradação da confiança do povo no nosso regime político é por demais conhecida do país, embora a classe política finja ignorar.

Os partidos, pagos com o dinheiro do povo, têm na mão todo o seu pulsar; educação, saúde, economia, legislação, costumes etc. Então quem faz a sua avaliação, como eles querem, e bem, fazer aos professores?

O povo nas urnas? Claro que não, ele limita-se à amostragem de “cartões amarelos” sem quaisquer consequências! A alternância assegura a continuidade!

É pois importante refazer toda a classe política e os partidos no seu funcionamento interno.

E aqui as quotas não são um problema menor. Servem, antes de mais, para medir o interesse dos militantes para com a nobreza da causa que voluntariamente quiseram abraçar. Abolição de quotas? Nunca. Com as estruturas locais existentes nos partidos, há que fazer guerra sem quartel aos caciques, fonte de toda a indignidade dentro deles.

Num regime político feito com estes partidos o seu funcionamento tornou-se no cancro da nossa democracia, obrigando muita gente de bem, honesta e competente, a afastarem-se da vida política, onde muita falta estão a fazer.

 

António Reis Luz
Militante partidário



Publicado por rui.freitas às 02:48
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Unidade sem Anestesia (4)

Arquivos

Agosto 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Links aconselhados
Mais sobre mim
Pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
RSS